sábado, 30 de abril de 2016

A voz: uma das mais importantes 'impressões digitais'.

No livro "Respiração, voz e dicção"

A voz é uma das marcas registradas das pessoas. Uma personagem bem construída, trajando maravilhosamente bem, se movimentando com destreza e primor, de porte plástico e destacado, inserida numa trama cujos diálogos estão devidamente estruturados, estará fadada a retumbante fracasso caso não seja dotada de uma voz expressiva, adequada, elaborada. E alcançar este objetivo não é tarefa tão fácil quanto parece.

Para obter sucesso nesta etapa o leitor deve, primeiramente, conhecer sua própria voz, saber de suas potencialidades e limitações. Daí a necessidade do estudo e da exercitação: o preparo, o condicionamento, o treinamento... Devemos expandir nossas capacidades físicas e psicológicas de modo a adquirir absoluto controle sobre nosso sistema vocal-respiratório.

Nada de negligenciar: não devemos esquecer que o som emitido por nossa voz é produzido pelas cordas vocais que vibram com a passagem do ar. Por isso a capacidade vocal está diretamente relacionada à capacidade respiratória.

Tão logo adquira o conhecimento sobre seu próprio sistema vocal, o leitor deverá promover incursões por diferentes cenários, exercitando distintas alternativas, treinando vozes diversas, até granjear plena segurança, completo domínio sobre sua performance e projeção.

A voz não é um componente estanque e isolado do processo. É parte de um sistema mais amplo em que estão presentes o tipo físico, o perfil psicológico e ainda o contexto em que se verifica a interação ou a trama. Consequentemente, a voz deve ter como atributos:

·    potência para se tornar perfeitamente audível numa sala ou auditório, por exemplo. Caso parcela da plateia ou da assistência não escutem a voz emanada, ocorrerá dispersão, desinteresse e, logo, ruídos e burburinhos;

·  flexibilidade para se adequar às necessárias variações de timbres e cadências impostas pela dinâmica das cenas bem como para interagir com o contexto estabelecido;

·     plena sintonia com a caracterização física e psicológica da personagem.  

Um pequeno gravador pode ser de grande valia: habitue-se a ler textos de diferentes tamanhos, gravando-os. Na sequência, escute a sua voz com espírito crítico registrando numa caderneta: os erros e as pronúncias inadequadas, o tempo das pausas, os momentos de inspiração e expiração, o volume, a entonação e o timbre..  Repita o procedimento até que a audição se apresente límpida e adequada. 

Cantar: um santo remédio
Cantar é outra atividade que auxilia neste processo de revitalização de nossa ‘linha de produção’ e de qualificação do produto final, a voz. Não foram os nossos avós que nos legaram o sábio ensinamento “quem canta seus males espanta”?

O canto serena e apazigua os problemas do dia a dia, evoca a alegria, magnetiza o bom humor.

Sim, cantar não é tão somente uma milenar forma de manifestação artística. Ensinam os especialistas que pode curar inumeráveis males quando praticado com regularidade.

Veja do que esta atividade é capaz:
·         acentua a sensação de bem estar;
·         equilibra o sistema neurovegetativo;
·         reforça a atividade dos nervos parassimpáticos, responsáveis pelo relaxamento do corpo;
·         induz à harmonia psíquica;
·         fortalece o sistema imunológico;
·         fortalece a respiração abdominal.

A respiração abdominal é a que se executa com profundidade. Este processo de respirar intensamente, colateralmente, massageia o intestino e alivia o coração.

A respiração vigorosa incrementa o ar que chega aos pulmões, a circulação sanguínea é intensificada trazendo benefícios para a memória e a concentração.

Portanto, cante. É uma forma saudável e sublime de revigorar a voz.

Fazer teatro: uma divina ação
Não há nenhum exagero aqui. Fazer teatro é uma ação divina. Foi assim que a Grécia antiga fez originar essa atividade humana: inspirando-se nas divindades helênicas e a elas prestando homenagem e reverência.

Como o teatro é o centro por excelência das representações, os atores são confrontados diariamente com laboratórios e exercícios objetivando qualificar todo o processo de emissão vocal: romper a timidez e fortalecer os sistemas que compõem o corpo humano, destacando o respiratório e o vocal.  


Sem dúvidas, assim procedendo o leitor terá diante de si a real possibilidade de adentrar o universo dos que conseguem emprestar à voz força, eloquência, harmonia e expressividade. 

Se quiser saber mais, clique aqui.

Maiakovski na voz de Gal Costa

A peça teatral O mito de Sísifo


O livro 
A peça teatral juvenil “O mito de Sísifo” discorre sobre uma das mais belas lendas da mitologia greco-romana. 

Sísifo presenciou uma grande águia sobrevoando sua cidade. Conduzia nas garras a bela Egina, filha de Asopo, o deus-rio. 

A águia era a ave de rapina de Júpiter, o deus dos deuses. 

O rei de Corinto correu até o velho Asopo e com ele sacramentou um acordo: contaria o paradeiro da filha desde que o deus-rio presenteasse a cidade com uma fonte inesgotável de água pura e cristalina. 

Possesso, Júpiter ordenou que a morte fosse confiscar a alma de Sísifo. 

Considerado o homem mais sábio da terra, o rei de Corinto enganou a morte, aprisionando-a. 

Ainda mais colérico com a impetuosidade de Sísifo, Júpiter condenou-o a cumprir uma pena eterna, perpétua: rolar uma enorme rocha até o alto de uma montanha íngreme. E chegando ao cume do penhasco fazer a rocha descambar ladeira abaixo, obrigando Sísifo a recomeçar a estafante tarefa. Infinitas vezes, por toda a eternidade. 

Acompanhe esta lenda da mitologia greco-romana e surpreenda-se com o final da estória. 

A Coleção teatro greco-romano 
A cultura greco-romana constitui a base da civilização ocidental. 

É impossível ao homem contemporâneo projetar seus passos em direção ao futuro sem antes mergulhar neste extraordinário passado, nos valores e paradigmas que – estruturados na antiguidade clássica – moldam sua forma de ser, agir e pensar. 

Conhecer, portando, como os gregos e romanos estabeleciam suas relações políticas e socioculturais, nada mais é que desbravar o oceano fecundo e profundo onde repousam nossas origens e universo interior. 

Mais estimulante é estabelecer essa abordagem adotando o teatro como linha mestra, como fio condutor dessa jornada histórica, dessa aventura épica. 

Antecedendo as peças teatrais, conceitos e relevantes informações auxiliam o leitor na empreitada. Atuam como um mapa do caminho, uma singela bússola, providencialmente disponibilizados para assegurar a tranquilidade da viagem. 

A Coleção Teatro greco-romano conta com quatro volumes. São quatro livros, quatro peças teatrais que abordam treze das mais importantes lendas da mitologia antiga: 

Livro 1: O mito de Sísifo; 
Livro 2: O mito de Midas; 
Livro 3: A Caixa de Pandora; e 
Livro 4: O mito de Édipo. 

O conjunto permite compreender o universo peculiar da cultura greco-romana. Seus mitos, o imaginário coletivo, as relações políticas e de poder, as tramas e as tragédias antigas... É o universo clássico repercutindo diuturnamente a máxima de que os tempos são outros, os séculos e milênios prosperam, mas os valores individuais e coletivos, com ligeiras variações, permanecem, quase sempre, inalterados. 

As 13 mais belas lendas da mitologia clássica 

As 13 lendas da mitologia greco-romana abordadas nas quatro peças teatrais: 
1. Saturno; 
2. Júpiter; 
3. Vulcano; 
4. Baco; 
5. Sileno; 
6. Minerva; 
7. Apolo;
8. Sísifo; 
9. Midas; 
10. Prometeu; 
11. Pandora; 
12. Édipo e Jocasta; 
13. Eteócles, Polinice e Antígona 

O autor 
Antônio Carlos dos Santos atua no teatro desde 1970. 

Escreveu e dirigiu centenas de espetáculos, tendo ministrado cursos e oficinas de teatro em diversas unidades da federação. 

Criador da (i) metodologia de produção de teatro ThM-Theater Movement, (ii) da tecnologia de teatro popular de bonecos Mané Beiçudo e (iii) da tecnologia de planejamento estratégico Quasar K+. 

Mantém três blogs atualizados semanalmente: 

Teatro 
Cultura & Educação
Planejamento estratégico

______________


Clique na capa do livro para saber mais.



Para saber mais, clique na figura

Dramaturgo, o autor transferiu para seus contos literários toda a criatividade, intensidade e dramaticidade intrínsecas à arte teatral. 

São vinte contos retratando temáticas históricas e contemporâneas que, permeando nosso imaginário e dia a dia, impactam a alma humana em sua inesgotável aspiração por guarida, conforto e respostas. 

Os contos: 
1. Tiradentes, o mazombo 
2. Nossa Senhora e seu dia de cão 
3. Sobre o olhar angelical – o dia em que Fidel fuzilou Guevara 
4. O lugar de coração partido 
5. O santo sudário 
6. Quando o homem engole a lua 
7. Anos de intensa dor e martírio 
8. Toshiko Shinai, a bela samurai nos quilombos do cerrado brasileiro 
9. O desterro, a conquista 
10. Como se repudia o asco 
11. O ladrão de sonhos alheios 
12. A máquina de moer carne 
13. O santuário dos skinheads 
14. A sorte lançada 
15. O mensageiro do diabo 
16. Michelle ou a Bomba F 
17. A dor que nem os espíritos suportam 
18. O estupro 
19. A hora 
20. As camas de cimento nu 

___________


Para saber mais, clique na capa do livro

________________

AS OBRAS DO AUTOR QUE O LEITOR ENCONTRA NAS LIVRARIAS amazon.com.br: 

A – LIVROS INFANTO-JUVENIS: 

I – Coleção Educação, Teatro e Folclore (peças teatrais infanto-juvenis): 

II – Coleção Infantil (peças teatrais infanto-juvenis): 
Livro 8. Como é bom ser diferente 

III – Coleção Educação, Teatro e Democracia (peças teatrais infanto-juvenis): 

IV – Coleção Educação, Teatro e História (peças teatrais juvenis): 

V – Coleção Teatro Greco-romano (peças teatrais infanto-juvenis): 

B - TEORIA TEATRAL, DRAMATURGIA E OUTROS
VI – ThM-Theater Movement: 

sexta-feira, 29 de abril de 2016

O mito de Édipo: vendas nas livrarias Amazon

É impossível ao homem contemporâneo projetar seus passos em direção ao futuro sem antes mergulhar neste extraordinário passado, nos valores e paradigmas que – estruturados na antiguidade clássica – moldam sua forma de ser, agir e pensar. 

Para saber mais, clique na capa do livro

Édipo rei é um dos mitos da antiguidade clássica grega mais importantes da História da Filosofia. A tragédia chegou a ser utilizada, no século XIX, por Sigmund Freud para falar do amor dos filhos para com os pais durante a infância.
Este é o mito que inspira o Livro 4 da “Coleção Teatro greco-romano”, a peça teatral juvenil O mito de Édipo.
O que levaria o rei de Tebas, Édipo, a matar o próprio pai e casar-se com a mãe.
Como teria decifrado o segredo da Esfinge, o monstro metade leão, metade mulher, que flagelava o povo tebano, propondo enigmas e devorando os que não conseguissem decifrá-los.
Entenda o que levou o médico neurologista criador da Psicanálise a reinterpretar o mito de Édipo. Conforme os ensinamentos freudianos o Complexo de Édipo é experimentado “entre os três e os cinco anos e desempenha um papel fundamental na estruturação da personalidade e na orientação do desejo humano. Ele ainda ressalta a influência do comportamento dos pais na vida da criança”.
Divirta-se com a dramaturgia de “O mito de Édipo”. 
O livro e a coleção estão disponíveis para vendas aqui.

_____________

Clique na capa do livro para saber mais.



Para saber mais, clique na figura

Dramaturgo, o autor transferiu para seus contos literários toda a criatividade, intensidade e dramaticidade intrínsecas à arte teatral. 

São vinte contos retratando temáticas históricas e contemporâneas que, permeando nosso imaginário e dia a dia, impactam a alma humana em sua inesgotável aspiração por guarida, conforto e respostas. 

Os contos: 
1. Tiradentes, o mazombo 
2. Nossa Senhora e seu dia de cão 
3. Sobre o olhar angelical – o dia em que Fidel fuzilou Guevara 
4. O lugar de coração partido 
5. O santo sudário 
6. Quando o homem engole a lua 
7. Anos de intensa dor e martírio 
8. Toshiko Shinai, a bela samurai nos quilombos do cerrado brasileiro 
9. O desterro, a conquista 
10. Como se repudia o asco 
11. O ladrão de sonhos alheios 
12. A máquina de moer carne 
13. O santuário dos skinheads 
14. A sorte lançada 
15. O mensageiro do diabo 
16. Michelle ou a Bomba F 
17. A dor que nem os espíritos suportam 
18. O estupro 
19. A hora 
20. As camas de cimento nu 

___________


Para saber mais, clique na capa do livro

________________

AS OBRAS DO AUTOR QUE O LEITOR ENCONTRA NAS LIVRARIAS amazon.com.br: 

A – LIVROS INFANTO-JUVENIS: 

I – Coleção Educação, Teatro e Folclore (peças teatrais infanto-juvenis): 

II – Coleção Infantil (peças teatrais infanto-juvenis): 
Livro 8. Como é bom ser diferente 

III – Coleção Educação, Teatro e Democracia (peças teatrais infanto-juvenis): 

IV – Coleção Educação, Teatro e História (peças teatrais juvenis): 

V – Coleção Teatro Greco-romano (peças teatrais infanto-juvenis): 

B - TEORIA TEATRAL, DRAMATURGIA E OUTROS
VI – ThM-Theater Movement: